25
Fev 13

Um material de construção criado no Brasil promete minimizar os impactos gerados pela construção civil no mundo inteiro. A alternativa é equivalente à argamassa e reduz a produção de entulho, o uso de água, cal e areia para levantar paredes.

A Massa DunDun é uma cola utilizada para fixar os tijolos e sua aplicação é mais sustentável do que a argamassa, já que o produto não gera resíduos, mantém as obras limpas e combate o desperdício de muitos recursos que se transformariam em entulhos.

Indicado para vedar paredes erguidas com vários materiais – como concreto, tijolo convencional, cerâmica e tijolo ecológico, o produto é um fluido que também promete reduzir os esforços físicos dos operários e aposentar as betoneiras.  

A criação ganhou o “Prêmio Inovação e Sustentabilidade”, realizado pela CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção). De acordo com uma pesquisa elaborada nos EUA, até 50% dos recursos naturais do planeta são consumidos pela construção civil, uma das atividades de desenvolvimento mais predatórias do mundo

publicado por greentalks às 12:24
sinto-me:

25
Mar 12

O último post mencionou a eficiência energética e, de acordo com o Offices 2020, da consultora Jones Lang LaSalle a sustentabilidade será estratégica nos próximos dez anos até porque, de acordo com Mariana Seabra, diretora de Office Agency e Corporate Solutions: “um edifício com uma classificação energética superior permite melhorar a qualidade do ambiente no escritório, aumentar a produtividade dos seus colaboradores e ter um impacto positivo nos custos operacionais”.

 

Assim, a sustentabilidade é um assunto que está de facto a ser levado a sério nas práticas corporativas, pois vai mais além do que ser apenas CO2 friendly uma vez que tem assim impacto em todas as operações das empresas.

 

Fontes

Procura de escritórios em Portugal tem na sustentabilidade "factor importante de diferenciação", Publico, 14 de de Março de 2012

publicado por greentalks às 13:29

 

 

Após analisar as operações de uma empresa, pode-se pensar em aumentar a eficiência energética, através de iluminação de baixo consumo, um melhor controlo em termos de climatização, apoiar práticas de separação do lixo e pode-se apostar também numa cadeia de fornecedores verde.

 

 

Assim, e dentro de uma certa razoabilidade, pode-se repintar a cadeia de fornecedores, tornando-a mais verde e reduzir o tamanho da pegada ecológica do negócio. Assim, surgem os Camisola Amarela, um serviço de estafetas livre de CO2, que é uma alternativa aos estafetas tradicionais e faz entregas em bicicleta na capital portuguesa. Seguindo esta ótica nacional, os Camisola Amarela foram ainda distinguidos com uma menção honrosa no Green Project Awards e segundo a Off7, 1300 quilos de CO2 anuais de CO2, já estão a abandonar a atmosfera.

 

Pense mais, pense verde!

 

Daniel Souza

 

Fontes

Estes estafetas querem chegar às grandes empresas. A pedalar, Publico, 12 de de Março de 2012

http://www.off7.pt/

http://www.camisolaamarela.com/

publicado por greentalks às 12:01

15
Mar 12

A partir de material reutilizado, tal como antigos barris de uísque, é possível criar magnificas hastes de óculos em madeira.

 

A Shwood, conjuntamente com  Bushmills Irish Whiskey e a Bodega, produziram uma edição limitada de 100 pares de óculos.

 

 

fonte: http://www.treehugger.com/

 

Susana Ângelo

publicado por greentalks às 12:34

10
Mar 12
Oceano Pacífico e Oceano Índico sugerem cenários paradisíacos para irmos descansar depois de terminar a época de exames mas… e se até aí os desafios da sustentabilidade andassem atrás de nós? ´
Pois é, existem cinco grandes lixeiras flutuantes identificadas no mundo, nos Oceanos Pacífico (duas), Índico e Atlântico Norte e Sul. 
No Índico, em particular onde se encontram as Maldivas, esse bonito paraíso turístico, uma das ilha paradisíacas, Thilafushi, especializou-se desde 1992, a receber visitantes indesejados: o lixo dos turistas
Já no Oceano Pacífico uma parte do lixo desembarca no Hawaii, fazendo então um melting pot de lixo internacional onde convivem pelo menos o lixo americano, coreano, japonês.
Considerando que uma das grandes fontes das lixeiras flutuantes é o plástico, tal representa uma oportunidade extraordinária para as estratégias de marketing, no marketing mix apostando em campanhas de comunicação de produtos com menos plástico ou biodegradáveis, preços em que, por exemplo uma fracção do mesmo seja direccionada a financiar projetos de coleta do lixo, em que a distribuição seja feita numa ótica de green supply chain management e vendidos em locais que apostam na sustentabilidade, por exemplo em edifícios otimizados energeticamente e, no 5P em embalagens que não usem (ou usem menos) plástico e assim não contribuam para o aumento das sopas. Assim se consegue facilmente chegar aos 3P's (profit, people & planet) e aos 4S's (sustentabilidade,aceitação social, segurança e satisfação do consumidor.
Por: Daniel Souza
Fontes:
http://www.guardian.co.uk/environment/2009/jan/03/maldives-thilafushi-rubbish-landfill-pollution
http://www.bbc.co.uk/news/world-asia-16072020
http://www.guardian.co.uk/environment/gallery/2009/jan/03/maldives-waste-turns-paradise-into-dump#/?picture=340139151&index=10


publicado por greentalks às 01:24

Um dos desafios da sustentabilidade são as alterações climáticas e como lidar com as mesmas, pois devido a ser cada vez mais díficil de prever, qualquer tipo de planeamento assume um grau de complexidade cada vez maior. O vídeo em baixo é um exemplo de como tal está a afetar o hemisfério sul.
Por: Daniel Souza
publicado por greentalks às 00:56

03
Mar 12
Um vídeo bastante interessante que retrata as problemáticas da premissa do crescimento infinito e do desenvolvimento da sociedade atual se assentar no petróleo.
Por: Daniel Souza
publicado por greentalks às 23:24

02
Mar 12
E... até fora das competições desportivas o FC Porto arrecada troféus...
2007 1º estádio classificado com cincoo estrelas pela Uefa na área da qualidade e ambiente
2009 Certificação da SPV
2010 ECA melhor prémio para feito não desportivo do ano nas boas práticas ambientais
2011 Convidado a falar nas novas arenas e sustentabilidade no Qatar - país que recebe o mundial de 2022
Por: Daniel Souza
publicado por greentalks às 15:51

26
Fev 12

Plataforma 1st and Green - Um projecto de Public Engagement

 

 

Sim, estou a falar daquele evento desportivo visto por mais de 100 milhões de pessoas em 232 países, dizem mesmo que é o espectáculo mais visto na Terra. É só o evento que apresenta a publicidade mais cara da televisão, em que os marketeers não se importam de estoirar o budget só para lá estarem.

 

E como nós por cá, a febre é mais com bola no pé, dou-vos mais uns números, só para vos elucidar melhor da dimensão desta máquina comunicacional. No passado dia 5 de Fevereiro, durante a final da competição, no Twitter da NFL, registaram-se em média 12.233 tuítes por segundo. Coisa pouca…  

 

Pois, mas tanto número à mistura não gera coisa boa, de certeza. Ou não estivéssemos a falar do segundo dia com maior consumo de comida nos Estados Unidos. Dá para imaginar toda a sustentabilidade ambiental que para aqui vai…

 

Mas já há promessas para um 2012 mais sustentável. Parece que o Super Bowl vai aderir ao green mode :)

 

Podia aqui enumerar uma série de medidas que estão a tomar para reduzir impactos, mas o que mais me despertou a atenção foi mesmo a criação da plataforma 1st and Green.

 

Fresquinhos que estamos em Public Engagement, acho que temos aqui um bom exemplo. O comité anfitrião do próximo campeonato juntou uma série de stakeholders, com o objectivo de envolver a população num desafio comum: a consciência ambiental.

 

Para isso, criaram o 1st and Green Challenge e convidaram empresas, escolas, famílias, governos, a registarem na plataforma o que fazem no dia-a-dia para um mundo melhor. Esta plataforma vai então controlar a vida verde destes grupos, ensinando-lhes formas de aumentarem o seu impacto.

 

Giro giro, é podermos ver o impacto das nossas acções em dois contadores que nos mostram quantas emissões de co2 compensamos e quanta água estamos a poupar.


Quem economizar mais água e carbono até ao início da competição será reconhecido em Georgia Street, durante a semana antes do Super Bowl.

 

Aqui está uma boa forma de comunicar envolvendo. O resultado? É win win. Ganha o Super Bowl – confiança e reputação -, e ganhamos todos, um Mundo um bocadinho mais green, esperemos :)

 

Por Cátia Henriques

 

Fontes

 

http://www.indianapolissuperbowl.com/highlights/?p=1017

 

http://inhabitat.com/7-ways-the-superbowl-xlvi-is-going-green/

publicado por greentalks às 15:55

21
Fev 12
Por Daniel Souza
publicado por greentalks às 12:49

20
Fev 12

Apesar da companhia aérea nacional ter ganho um prémio de sustentabilidade bastante recentemente, o espaço aéreo europeu tem sido pautado pela guerra do carbono entre a Europa e o resto do mundo.

 

As pretensões da Europa relacionam-se com a cobrança de uma taxa sobre as emissões de carbono em todos os voos que aterrem ou descolem da Europa mas, as companhias aéreas chinesas não têm intenção de pagar as taxas embora Markus Ederer, embaixador europeu, afirme que as viagens Europa – China encareçam em apenas dois euros.

 

Já Victoria Moores, diretora-geral de comunicação da associação de companhias aéreas europeias, afirma que estas medidas podem comprometer a competitividade das companhias europeias.

 

Uma vez que este tema das emissões dos aviões voltou a estar em cima da mesa, talvez fosse uma boa altura para iniciar um pensamento sério sobre como repensar o tráfego aéreo e reduzir o seu impacto, de forma a refletir sobre o triple bottom line na indústria da aviação.

 

* escrito de acordo com o Novo Acordo Ortográfico *

Por: Daniel Souza

 

Fotografia:

http://www.flickr.com/photos/hilberer/4520910305/

 

Fontes:

‘Guerra do carbono’ prejudica sector europeu da aviação’ , Diário Económico 7 de Fevereiro 2012

publicado por greentalks às 00:18

14
Fev 12

Apesar se não se poder dizer que uma companhia de Avião é sutentável, pode dizer que esta empresa não deixa de tentar minimizar o impacto ambiental.

 

A TAP ganhou o prémio de Gold Award na categoria de Best Ethically/Sustainable Kit atribuido pela Travel Plus. Este prémio foi atribuido às bolsas de higiene e respectivo conteudo oferecidas pela companhia aerea. Estas são feitas de ingridientes naturais e material reciclado.

 

A TAP tem demonstrado ao longo destes ultimos anos manter um posicionamento admirável quanto às suas práticas de sustentabilidade.

 

Fonte:

http://www.greensavers.pt/2012/02/13/bolsas-de-toilette-da-tap-ganham-premio-de-sustentabilidade/?utm_source=Green+Savers&utm_campaign=fd4ea64830-Green+Savers+Daily&utm_medium=email

 

Patrícia Oliveira

publicado por greentalks às 13:41

13
Fev 12

Um exemplo de Eficácia Percebida

 

Já diz o ditado: “Ver para crer”. Esta é mesmo a melhor forma para termos consciência das nossas ações.

 

É um exemplo da aplicação do conceito de Eficácia Percebida que vos quero mostrar hoje.

 

Quem nunca jogou um dia uma pontinha de lixo no mar que atire a primeira pedra. E foi a pensar na consciência ou inconsciência das pessoas que o fazem que a Surfrider Foundation Brasil criou a campanha “Devolução”.

 

Imaginem agora começarem a receber no correio pedaços de lixo dentro de uma caixa, com o vosso nome no remetente. Quem se iria lembrar de enviar-vos lixo e porquê?

 

Vejam este vídeo e encontrem a resposta! :)

 

 

Bela campanha esta! Foram 10 mil os brasileiros que receberam caixas cheias de lixo recolhido nas praias do Rio de Janeiro, com a seguinte mensagem: “O lixo jogado no mar um dia volta. Pra todo mundo.” Se calhar, muitos deles nunca tinham colocado lixo na praia, mas sensibilizar e educar, aqui, é a palavra de ordem. Pois mesmo quem nunca jogou lixo na praia, um dia poderá sofrer com as suas consequências.

 

De referir que a ação foi também realizada em bares da cidade do Rio de Janeiro.

 

Com campanhas como esta, com certeza, vamos passar a perceber os efeitos das nossas ações com maior eficácia. Venham elas!

 

Por: Cátia Henriques

publicado por greentalks às 14:30

09
Fev 12

City On - O caso da EDP

 

Nas últimas semanas, muito temos falado naquele que é o principal desafio da Comunicação Sustentável: A Educação/Sensibilização do consumidor para a temática da sustentabilidade.

 

Esta tem sido a pedra no sapato de muitos marketeers, pois a maior consciência ecológica ainda não vence todas as barreiras que se notam na hora da compra.

 

Pois bem, se o trabalho está na sensibilização e na educação ou na falta dela, parece que a EDP está já a tratar do assunto. Escolheu o target. Os mais novos, ou não fossem eles os consumidores do presente, mas principalmente do futuro. E o canal onde a mensagem se torna atraente e efectiva.  

 

Estou a falar de um jogo. O City On. Este é o jogo online que a EDP lançou no final de 2011.

 

Segundo a marca, o objectivo é transmitir, de forma inovadora, conceitos como a eficiência energética, mobilidade elétrica, cidades inteligentes e energias renováveis, sempre numa perspetiva visionária e futurista do que será um mundo sustentável.

Neste jogo, vestimos a pele de um Agente EDP e com a ajuda do Agente Tomás - descuidado e trapalhão -, temos que implementar uma agenda de eficiência energética para a cidade.

 

Para isso, temos que construir estruturas energéticas de forma a reunir mais energia, já que aqui, a energia é também a nossa moeda.

 

Os jogadores serão ainda desafiados a gerir fontes de produção de energia para responder às necessidades crescente da população, a apostarem em investigação de novas tecnologias e a manter baixos níveis de poluição. Só assim evitarão que a palavra Game Over apareça no monitor.

 

O jogo está acessível gratuitamente em www.cityon.pt.

 

Ps: Importante referir:  este projecto também teve a mão da UTL. Foi desenvolvido pela Biodroid, em colaboração com equipas internas da EDP e do Instituto Superior Técnico.

 

Por: Cátia Henriques

publicado por greentalks às 17:20

08
Fev 12

Todos os que se consideram consumidores conscientes tentam fazer as melhores opções de compra, seja pela empresa escolhida ou pelo sítio onde se compre.

No nosso dia-a-dia tomamos decisões tendo em vista o desenvolvimento da nossa sociedade e do mundo em geral. No entanto é mais fácil decidir quando se está mais perto da comunidade,dado que se conhece melhor a realidade.

Mas e se viesse alguém de fora da comunidade e deitasse a perder os avanços feitos pelas comunidades locais, não por opção consciente mas por falta de informação.

 

Este tipo de situação pode acontecer quando decidimos ir viajar para outro país, conhecer outras culturas, divertir-nos e relaxar. Acontece que ao fazermos estas viagens podemos estar a por em causa as actividades dessas comunidades, dessas cidades ou mesmo dos países.

Esta foi uma das razões porque se criou o GreenPassaport. Esta iniciativa foi desenvolvida pela International Task Force antravés do plano do Desenvolvimento do Turismo Sustentável, tendo a visão clara de que é preciso acelerar uma mudança global de paradigma no consumo e produção sustentável (SCP). Esta preocupação surgiu no  World Summit on Sustainable Development (WSSD), que teve lugar em Joanesburgo em 2002.

 

Através desta iniciativa os viajantes conseguem conhecer a realidade comercial de cada país e as suas actividades mais ou menos sustentáveis. Assim os criadores propõem-se a que não se destrua o trabalho desenvolvido pelas comunidades e apoiem as empresas e locais turísticos que assentem em políticas sustentáveis.

O primeiro destino onde foi implementada a campanha do GreenPassaport foi no Brasil e já se espalhou por outros países.

 

 

Vejam mais em:

http://www.unep.fr/greenpassport/

 

 

Patrícia Oliveira

publicado por greentalks às 08:44

07
Fev 12

As grandes retalhistas mundiais estão a trilhar um percurso em que pretendem reduzir a quantidade de embalagem que disponibilizam nas

prateleiras em que  o exemplo vulgarmente mais falado derivado do seu impacto global, é a cadeia de lojas wal-mart. Um impacto que se mede através do packaging scorecard e que na prática pretende reduzir em 5% face aos níveis de 2006 gerando poupanças na ordem dos 12 mil milhões de dólares (1). O scorecard será dado aos fornecedores e a informação partilhada com os consumidores de forma a que este seja um factor que os consumidores incluam nas suas decisões de compra e, nesta avaliação são tidos em conta aspectos como emissão de gases com efeito de estufa, escolha de materiais da embalagem e composição química (2).

 

Um outro exemplo interessante é a cadeia Tesco no Reino Unido que, no seu esforço de reduzir o desperdício de alimento irá testar um novo tipo de packaging em tomates e abacates que absorve uma hormona que provoca o seu amadurecimento (3), prolongando desta forma a sua vida na prateleira e que já foi testado pela Marks & Spencer em morangos em Janeiro (4).

 

E, em breve a Páscoa estará a bater à porta com o seu doce apelo estará Portugal pronto para encarar o futuro?

 

Por Daniel Souza

 

Fontes

(1) The business of sustainability: Putting it into practice, McKinsey 2011

(2) http://walmartstores.com/sites/sustainabilityreport/2009/en_w_packagingReduction.html

(3) http://www.guardian.co.uk/environment/2012/feb/07/tesco-new-packaging-food-waste

(4) http://www.guardian.co.uk/environment/2012/jan/06/marks-and-spencer-packaging-fruit

publicado por greentalks às 17:28

01
Fev 12
O Green Screen Documentary é um dos prémios do Festival 
Internacional de Documentários de Amesterdão que, entre 
outros realça a consciência verde dos holandeses para o tema.

Em baixo segue o link da selecção de 2011, onde se pode ver 
vários trailers dos quais destaco algumas frases como


“O progresso da tecnologia ameaça a existência 
da humanidade”


“Nós temos de CONSUMIR menos”


“Somos recoletores da idade da pedra a utilizar 
software do séc XXI, a correr sobre hardware que 
não foi actualizado por 50 000 anos”


Trailers: http://www.idfa.nl/industry/Festival/program-2011/competitions/idfa-competition-for-green-screen-documentary.aspx
 
Por: Daniel Souza
publicado por greentalks às 00:51

31
Jan 12

 

A indústria de azeite do Sul da Europa está a preparar uma ferramenta que irá etiquetar a sustentabilidade dos seus produtos. Esta ideia será implementada já em 2013. Uma excelente notícia, para mim que sou fã de azeite.

 

 

Deixo a notícia completa em: http://www.greensavers.pt/2012/01/31/azeite-portugues-tera-eco-etiqueta-ja-em-2013/

 

 

P.S. -  Esta foto é de um olival da minha terra :)

 

 

 

 

Vera Santos

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por greentalks às 12:03

27
Jan 12

“Momentos Verdes e Saudáveis” – o caso da PT

Esta semana, quero dar-vos a conhecer um projecto de comunicação sustentável que a Portugal Telecom implementou internamente, com o objectivo de sensibilizar os seus colaboradores para a adopção de comportamentos sustentáveis.

A iniciativa chama-se “Momentos Verdes e Saudáveis” e pretende "convencer" os colaboradores da PT a usarem mais regularmente as escadas, em detrimento dos elevadores. O objectivo? Reduzir o consumo de energia e ao mesmo tempo promover a prática de uma actividade saudável.

Pois bem, mas com tantos pisos que têm os edifícios da PT, como terão eles conseguido convencer “a malta” a usar as escadas em vez dos elevadores, devem estar vocês a perguntarem-se.

Simples. A mensagem utilizada recorreu ao humor, usando uma forma de comunicar leve, divertida e fácil de compreender, de modo a captar uma adesão espontânea e alegre por parte dos colaboradores.

Se não vejamos.

Os Resultados? Não foram nada maus. Estamos a falar de 30% de redução no consumo de energia dos elevadores, 3 meses após o lançamento da campanha.

 
Deixem-me só dizer-vos que esta é apenas uma das iniciativas da campanha. Várias outras acções têm vindo a ser desenvolvidas. Outra conquista importante foi a redução de 40% nos consumos de copos de plástico, por exemplo. O incentivo à utilização dos transportes públicos, a promoção das viagens partilhadas e do uso de bicicletas nos pequenos trajectos quotidianos e a recolha de equipamentos eléctricos e electrónicos são mais alguns exemplos que têm vindo a ser trabalhados.  

Aqui está uma forma criativa de alterar hábitos através de uma estratégia de comunicação interna. Não acham que a PT está de parabéns?  

 

Por Cátia Henriques

 

Ps: Desculpem o exemplo estar em pdf, mas a desformatação era tanta que recorri ao ppt :)

 

Fontes:

Gabinete de Comunicação PT

www.telecom.pt

 

publicado por greentalks às 16:00

23
Jan 12

Olá a todos,

 

Esta semana, calhou-me o tema do desporto. Ao ver este papelinho, pensei, qual é o tipo de desporto que mais fomenta e desenvolve a componente ambiental e sustentável?? E na qual estou mais á vontade para falar???

 

A resposta para mim foi bastante óbvia, o Surf. Sendo um desporto que depende das condições climatéricas e oceanográficas, os surfistas são os desportistas que mais se preocupam com o ambiente, e consequentemente com a sustentabilidade.

 

É fácil para nós, os surfistas, despertarmos esta consciência desde muito cedo, porque somos nós que frequentamos as praias e observamos os fundos do mar alterados, a quantidade de resíduos que são despejados no mar e vêem parar á praia, bem como a subida do nível do mar.

 

Ao pensar nesta questão, apresento-vos um projecto português de preservação de praias e ondas. Neste projecto, entre outras coisas, realizam-se campanhas de recolha de resíduos precisamente nas praias e também protegem certas ondas que estão em risco de desaparecer devido a construções de marinas ou pontões. Se ficarem curiosos e queiram participar neste projecto super interessante e o qual que já faço parte, dêem uma vista de olhos neste site:

 

http://salvemosurf.org/sos/

 

Se formos ver bem, a maioria das marcas associadas ao surf, estão muito focadas na preservação de recursos naturais, bem como em ajudar as populações que vivem perto das ondas que exploram. Um bom exemplo disso é a Rip Curl, que possui um site inteiramente dedicado á contribuição da marca para o planeta com o mote de “We Surf. We care”. Este site possui uma área que chamam de Save our Surf, em que a sua equipa de surfistas patrocinados consegue ilustrar com frases esclarecedoras e campanhas que realizam, a relação que têm com o mar e a importância que o mar tem para eles, uma das muitas frases que evidenciam claramente o conceito de sustentabilidade - "I hope my kids will have a rich surfing life, unhindered by the efects of pollution" (Tom Curren)

 

http://www.ripcurlplanet.com/

 

É um site muito interessante para os amantes do mar, divulgando acções que desenvolvem nas praias, os seus eco-produtos (possuem uma linha de roupa desenhada de forma sustentável e feita de algodão orgânico, e explicam que reutilizam a borracha que utilizam no fabrico de fatos isotérmicos). Por outro lado, falam da redução de carbono nos seus eventos (ficam ja a saber que o campeonato de surf organizado pela Rip Curl em Portugal foi premiado com a etiqueta de Zero emissões), e de boas práticas tanto no processo de fabrico como fora dele, que ajudam a reduzir a sua pegada ecológica.

 

Obrigado pela vossa atenção.

Até para a Semana!

 

Rita Monteiro



 

publicado por greentalks às 15:16

Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Sobre o Blog
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO